Categories DIVERSOSSAÚDE

SETOR DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL REALIZA AÇÃO DE COMBATE E PREVENÇÃO A LEISHMANIOSE

A leishmaniose é uma doença infecciosa não contagiosa, causada por parasitas. Existem dois tipos de leishmaniose: a leishmaniose tegumentar ou cutânea e a leishmaniose visceral ou calazar.

A primeira é conhecida como “ferida brava” e caracteriza-se por feridas na pele; já a leishmaniose visceral é sistêmica e ataca órgãos internos, principalmente o fígado, o baço e a medula óssea.

Esta doença afeta, principalmente, os cães e os seres humanos. Nos cães de estimação, a doença é conhecida como Leishmaniose Visceral Canina – LVC.

Depois de ter ocorrido um caso de leishmaniose em humano na Vila do Rosário, nesta sexta-feira (8),a equipe da Vigilância Ambiental esteve na localidade realizando um mutirão para detectar cães com LVC.

Foram examinados 60 cães e foram detectados 26 cães suspeitos.

Foi realizada sorologia na veia de cada um deles para enviar ao laboratório da Fundação Ezequiel Dias – FUNED de Montes Claros para ter uma contra prova.

Caso seja detectada a doença será feita a eutanásia dos cães

.

Além desta ação a equipe se reuniu com as pessoas do local para explica e alertar sobre a doença, sua causa e como prevenir.

Como se dá a transmissão da doença?

A transmissão da Leishmaniose Visceral Canina ocorre quando o animal é picado por insetos hematófagos (conhecidos como “mosquito palha” ou “birigui” e demais denominações) infectados. A doença não é transmitida de um animal infectado a outro sadio, é o inseto que transmite a doença.

Sintomas e diagnóstico

Os sintomas da leishmaniose em cães podem incluir emagrecimento, perda de pelos, fraqueza, feridas, gânglios inchados, crescimento exagerado das unhas, anemia, dentre outros. Nos órgãos internos, como ocorrer o crescimento do fígado e demais alterações.

O diagnóstico preciso da doença só pode ser feito por um médico veterinário, que realizará exames de sangue e exames citológicos, feito a partir de pequenas amostras de tecidos.

Tratamento

Clinicamente falando, a leishmaniose é uma doença tratável e curável, no entanto, assim como ocorre na grande maioria das doenças causadas por protozoários, geralmente não há a cura parasitológica.

O tratamento desta doença ainda envolve polêmicas, porém não é proibido e pode ser sintomático, com medicamentos veterinários de uso oral, que podem ser manipulados em farmácias. O que é proibido no tratamento desta doença é o uso de medicamentos da linha humana, proibição que está sendo questionada.

O tratamento no cão infectado, com a vacinação e repelentes, podem levar à cura clínica e à cura epidemiológica.

Como prevenir a doença?

No nosso país existe uma vacina contra a Leishmaniose Visceral Canina, com uma proteção acima de 92%.

Além da vacinação, outras medidas de controle devem ser tomadas, como combate ao inseto vetor da doença, inseticida no ambiente e a utilização de produtos repelentes no animal.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *