NOSSA HISTÓRIA

Montalvânia nasceu em 22 de abril de 1952, às margens do Rio Cochá, afluente do Carinhanha, na Bacia do São Francisco. Peãozada na caçamba, machado e foice na mão, em poucos dias, a mata virgem da Fazenda Barra do Poções era posta abaixo. Era o sonho de Antônio Montalvão se realizando.

– Eu sempre tive na idéia a semente de uma cidade, como a Cidade dos Templos de Monte Albán, no México antigo, onde o deus Quetzalcoatl foi iludido pelo demônio Huitzilopochtl; mas realmente eu pensava na Nova Tróia invencível, fadada aos descendentes de Enéias, dizia Montalvão.

De sangue troiano ninguém precisava para vir morar em Montalvânia. Bastava a vontade de cravar raiz no extremo Norte de Minas Gerais, sertão brabo, quase Bahia. Montalvão dava tudo: lote, casa, comida, roupa, até moças casadouras ele foi buscar nas fazendas da região para segurar a peãozada. Montalvânia nasceu bonita, arrumada. Cidade planejada, cada rua batizada com um grande nome da História: Rua Schopenhauer, Galileu, Praça Platão, Avenida Confúcio, Buda, Rua Zoroastro, Rua Plutarco, “companheiros de tertúlias”. Montalvão achava que o povo do sertão ia querer saber quem eram aquelas pessoas todas, ia se educar.

Antônio Montalvão tinha tudo planejado. A Montalvânia ele reservava destino maior, tão certo estava de que este ponto remoto do Brasil carregava a memória da civilização perdida de Atlântida.

– O maior tesouro de Montalvânia é o tesouro histórico nas inscrições rupestres que se tornam como um álbum biológico e espacial, evidenciando que somos nós os humanos meras larvas agigantadas de estrelas-do-mar, precedidos por gigantes descomunais, por ciclopes e sereias, enquanto essa linhagem humana fora também precedida por seres antropomorfos exóticos, a evidenciar que o antropomorfismo não é privilégio humano nem o humanismo é privilégio terráqueo, costumava dizer.

Montalvânia traz em sua história, os mistérios e curiosidades que marcaram a vida do autodidata que a fundou, Antônio Lopo Montavão. A cidade é banhada pelas águas cristalinas do Rio Cochá. A paisagem é belíssima e existem grandiosas formações rochosas. O município tem cerca de 16 mil habitantes.

Montalvão enfrentou os coronéis da época para construir a cidade. Chegou trazendo ideias novas, de democracia, justiça e e disseminação do conhecimento. Algo impensável na época.

Fez uma casa no alto do Monte Lopino para apreciar o nascimento do lugar. Mais tarde, a casa abrigou um instituto de filantropia e uma escola.

Segundo Cássio Montalvão, filho do fundador, o pai reunia algumas pedras retiradas de escavações e dizia que encontrava nelas a história da criação do universo. Montalvão acreditava que viveria mais de 100 anos, mas morreu pouco depois dos 70, de infarto, enquanto dormia.

De acordo com os amigos, Montalvão tinha o corpo fechado. O aposentado Waldemar dos Santos disse que ele se transformava para despistar os inimigos, que eram os coronéis que o perseguiam.

– Ele pressentia quando lhe queriam fazer o mal. Quando as pessoas chegavam ao local, encontravam apenas um toco. Acontecia de pisarem no toco e na verdade estavam pisando na cabeça dele.
disse o aposentado.

O empresário Agostinho Lacerda lembra que, em noites de lua, Montalvão recebia mensagens do além. Vozes avisavam onde o fundador de Montalvânia deveria arrancar uma laje de pedra para encontrar o livro da criação do universo. Agostinho diz ter acompanhado a expedição até o misterioso local.

– O portal está lá. Nunca foi aberto até hoje. Onde foi feita a escavação, caiu uma pedra de cerca de 50 toneladas e tampou a boca de entrada, disse o empresário.

A cidade foi planejada com uma praça central onde convergem ruas e avenidas. Todas são largas e batizadas com nomes de pensadores, profetas e cientistas.

Para conseguir a emancipação, o fundador teve que ser prefeito de Manga, município vizinho, em 1959. O objetivo era trazer benefícios e desenvolvimento para Montalvânia. Mas a estratégia não deu certo. Os coronéis resistiram.

Então, numa ação ousada, ele contou com a ajuda de amigos, retirou todos os documentos da prefeitura e instalou em Montalvânia a sede administrativa do município.

Estava criado, oficialmente, o município de Montalvânia.